Choose your STYLE!!!

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

The Blues Brothers (OST) -



Meus caros, esta é minha última postagem de 2011... Para encerrar com chave de ouro, Jake & Elwood Blues, The Blues Brothers.
Feliz 2012 a todos.
Após deixar a cadeia Jake (John Belushi) reencontra seu irmão Elwood (Dan Aykroyd) e juntos vão para o orfanato onde foram criados. Lá eles descobrem que o local será fechado se uma dívida de US$ 5 mil com a prefeitura não for paga. Como a freira (Kathleen Freeman) que dirige o orfanato não aceita de forma alguma dinheiro ganho desonestamente, Jake e Elwood decidem por retomar a The Blues Brothers Band, na intenção de realizar um grande show e arrecadar a quantia necessária para pagar a dívida.
Jake & Elwood Blues, simplesmente insubstituíveis. Tanto o filme como a trilha sonora são demais...

Hair (OST) - (1979)



Hair é um filme norte-americano de 1979 adaptado do musical do mesmo nome encenado no Broadway e criado por James Rado, Gerome Ragni e Galt MacDermot. Dirigido por Milos Forman, com John Savage, Treat Williams e Beverly D'Angelo no elenco, ele conta a história de um jovem do interior dos Estados Unidos convocado para a Guerra do Vietnã, que chega a Nova York para apresentar-se ao exército e encontra e se torna amigo de uma tribo de hippies cabeludos da cidade, adeptos do pacifismo e contra a guerra. A trilha sonora é demais...

Blow-up (OST) - Herbie Hancock

Trilha sonora do genial Herbie Hancock para um filme de Michelangelo Antonioni. Um Jazz, meio Lounge... Muito bom.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Ginger Baker - Pop History Vol. 10 (1977)

Peter Edward "Ginger" Baker é um percussionista inglês que tornou-se famoso como integrante do Cream de 1966 a 1968 com Jack Bruce e Eric Clapton, e mais tarde fazendo parte do grupo Blind Faith. No começo dos anos 70, Baker viajou em turnê e gravou com sua própria banda, Ginger Baker's Air Force.
A técnica de Baker chamou atenção por sua virtuosidade, técnica e o uso de tympani e outros instrumentos de percussão nunca antes usados no rock. Embora às vezes tocasse de maneira bombástica (similar àquela de Keith Moon do The Who), Baker também era capaz de tocar de forma mais contida, graças à sua experiência se apresentando com bandas de jazz inglesas durante o final dos anos 50 e começo dos 60, estabelecendo um novo patamar de profissionalismo entre os percussionistas de rock. Baker também apresentava longos solos improvisados (como em "Toad") em seu elaborado kit de bateria; ele foi um dos primeiros músicos a usar dois bumbos, inspirado pelo baterista de jazz Louie Bellson.
Desde 1986 Ginger vem lançando diversos álbuns e viajando em turnê com inúmeros astros do jazz, da música clássica e do rock. Além das bandas com seu nome, como Ginger Baker's Airforce, Baker Gurvitz Army (1975-1976) e Ginger Baker's Energy (1976), Baker também foi integrante dos grupos Hawkwind (1980), Atomic Rooster (1980), Public Image Ltd (1986) e Masters of Reality (1990).
Este disco é um dos álbuns de vinil de minha coleção. Baixem e ouçam...

Fritz The Cat (OST) - Ed Bogas 1972


Fritz the Cat é uma tira de quadrinhos criada por Robert Crumb. As histórias se passam numa grande cidade habitada por animais antropomórficos, sendo que o gato Fritz é o personagem principal. Um calmo felino com tendências artísticas, Fritz frequentemente se vê envolvido em aventuras selvagens, nas quais passa por várias experiências sexuais. Fritz apareceu em histórias desenhadas por Crumb quando criança e viria a se tornar o mais famoso dos seus personagens. As tiras foram publicadas na revista Help! e Cavalier e depois em inúmeras publicações de quadrinhos underground durante os anos de 1965 e 1972. A trilha sonora segue o ritmo fantástico da animação, com muito Soul, Funk, Blues & Jazz.
Segue uma palhinha: http://youtu.be/zuTCN-o6o2A



Almost Famous (OST) - 2000


Trilha sonora original de um filme que retrata o cenário do Rock dos anos 70. A revista Rolling Stone contrata um rapaz de 15 anos para fazer uma matéria sobre uma banda emergente. Confira as músicas:

Tracklist
1. America – Simon and Garfunkel
2. Sparks – The Who
3. It Wouldn’t Have Made Any Difference – Todd Rundgren
4. I’ve Seen All Good People: Your Move – Yes
5. Feel Flows – The Beach Boys
6. Fever Dog – Stillwater
7. Every Picture Tells A Story – Rod Stewart
8. Mr. Farmer – The Seeds
9. One Way Out – The Allman Brothers Band
10. Simple Man – Lynyrd Skynyrd
11. That’s The Way – Led Zeppelin
12. Tiny Dancer – Elton John
13. Lucky Trumble – Nancy Wilson
14. I’m Waiting For The Man – David Bowie
15. The Wind – Cat Stevens
16. Slip Away – Clarence Carter
17. Something In The Air – Thunderclap Newman




sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Heavy Metal - Universo em Fantasia (OST)

O desenho animado mais cultuado de todos os tempos. Baseado na famosa HQ de ficção científica HEAVY METAL - UNIVERSO EM FANTASIA combina um extraordinário visual, uma trilha sonora genial e histórias espetaculares em uma experiência cinematográfica única.
Um trailer para quem ainda não conhece: http://youtu.be/B_MzWF8YLhY

Easy Rider - Original Soundtrack (Complete)


Easy Rider é um filme americano de 1969. Conta a história de dois homens que viajam de moto, sem um destino definido, buscando a liberdade e sempre sob o efeito das drogas. Um filme que busca retratar o estilo sexo, drogas e rock and roll daquela época. Trilha sonora espetacular.


Easy Rider is a 1969 American road movie written by Peter Fonda, Dennis Hopper, and Terry Southern, produced by Fonda and directed by Hopper. It tells the story of two bikers (played by Fonda and Hopper) who travel through the American Southwest and South. The success of Easy Rider helped spark the New Hollywood phase of filmmaking during the early 1970s. The film was added to the Library of Congress National Registry in 1998. A landmark counterculture film, and a "touchstone for a generation" that "captured the national imagination," Easy Rider explores the societal landscape, issues, and tensions in the United States during the 1960s, such as the rise and fall of the hippie movement, drug use, and communal lifestyle. Easy Rider is famous for its use of real drugs in its portrayal of marijuana and other substances.


Easy Rider is the soundtrack to the cult classic 1969 film Easy Rider. The songs that make up the soundtrack were carefully selected to form a "musical commentary" within the film. The album of the soundtrack was released by ABC-Dunhill Records in August 1969 (catalog no. DSX 50063). It peaked at #6 on the Billboard album charts in September of that year,[citation needed] and was certified gold in January 1970.



01 "The Pusher" Steppenwolf
02 "Born to Be Wild" Steppenwolf
03 "The Weight" Smith
04 "Wasn't Born to Follow" The Byrds
05 "If You Want to Be a Bird (Bird Song)" The Holy Modal Rounders
06 "Don't Bogart Me" Fraternity of Man
07 "If 6 Was 9" The Jimi Hendrix Experience
08 "Kyrie Eleison/Mardi Gras The Electric Prunes
09 "It's Alright, Ma Roger McGuinn
10 "Ballad of Easy Rider" Roger McGuinn





Tracks:
01 "Pushin' Too Hard" The Seeds
02 "I Had Too Much To Dream (Last Night)" The Electric Prunes
03 "(We Ain't Got) Nothing Yet" Blues Magoos
04 "San Franciscan Nights" Eric Burdon & The Animals 
05 "White Rabbit" Jefferson Airplane
06 "I Can See for Miles" The Who 
07 "A Whiter Shade of Pale" Procol Harum 
08 "Groovin'" The Young Rascals 
09 "High Flyin' Bird" Richie Havens
10 "The Weight" The Band 
11 "You Ain't Going Nowhere" The Byrds 
12 "Time Has Come Today" The Chambers Brothers 
13 "With a Little Help from My Friends" Joe Cocker 
14 "Summertime Blues" Blue Cheer 
15 "Nights in White Satin" The Moody Blues 
16 "Mendocino" Sir Douglas Quintet 
17 "Get Together" The Youngbloods 
18 "My Uncle" The Flying Burrito Brothers
19 "Something in the Air" Thunderclap Newman 


quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Chico Batera

Chico Batera teve seu primeiro contato com a percussão na Escola de Samba Império Serrano. Aos 17 anos tornou-se músico profissional, tocando nos shows de Carlos Machado e no famoso Beco das Garrafas, berço da Bossa Nova. Com o sucesso da música brasileira no Carnegie Hall, em Nova York, Chico foi para os Estados Unidos acompanhando Sérgio Mendes. Ao longo de sua carreira, tocou ao lado de artistas como Johnny Alf, Bossa Três e Sergio Mendes. De volta ao Brasil, tocou ao lado de Tenório Jr., Victor Assis Brasil, Luiz Carlos Vinhas, J. T. Meirelles, Dom Salvador, Sergio Barrozo, além de fazer parte do Trio 3-D.Nos EUA, gravou com grandes nomes da música como Frank Sinatra, Gerald Wilson, Ella Fitzgerald, Tom Jobim, Joni Mitchell e Quincy Jones, e participou de trilhas sonoras de filmes hollyoodianos com Michel Legrand e Dave Grusin. Depois de gravar com João Gilberto o LP João Gilberto en Mexico, retornou ao Brasil em 1971, desta vez em definitivo, participando do registro do LP …e deixa o relógio andar do pianista Osmar Milito. Participou, em 1974, da gravação do LP Elis & Tom, dueto de Elis Regina e Tom Jobim, nos estúdios da MGM, em Los Angeles (EUA). Acompanhou em gravações e shows artistas como Cat Stevens, The Doors (Full Circle) Beth Carvalho, Som Imaginário, O Terço, Gal Costa, Francis Hime, Ivan Lins, Fagner, Milton Nascimento, João Bosco, MPB-4, Martinho da Vila, Gilberto Gil, Edu Lobo, Raul Seixas, Djavan, Wilson Simonal, Simone, entre outros.
Apesar de ter tocado com diversos músicos diferenciados e conhecidos, há dois momentos de destaque na carreira: o show com Elis Regina no festival de Montreux ("aquela não era uma banda, a gente se entendia como se fosse o ataque da seleção de 1970: César Camargo Mariano, Hélio Delmiro, Luiz Maia, Paulo Braga... fazer parte desse grupo é uma ocasião rara para qualquer um"), e 28 anos tocando com Chico Buarque, dos seus 50 anos de carreira! Batera comanda o trio formado por Sérgio Barrozo, no baixo, e Kiko Continentino ao piano. Seu último trabalho é o álbum Lume (2006), com o Chico Batera Trio.
Além de músico é organizador da Oficina Brasileira de Percussão, que trabalha com crianças e adolescentes do Complexo da Maré, com o intuito de mostrar os rudimentos da técnica e teoria musical, além da prática de novas e bem sucedidas metodologias.
O LP Ritmo de 1979 é surpreendente. Tem um soul balançado, com uma banda de primeira linha, vale a pena ouvir! Bom demais!!!

Para ver mais informações, vídeos e músicas e outros trabalhos do grande Chico Batera, a página dele no MySpace tem muita coisa:
Página do Chico no MySpace: http://www.myspace.com/chicobaterabrasil

* * * * *
O timaço desse LP:

Chico Batera (arranjos e bateria)
Sérgio Dias (guitarra)
Tavinho Bonfa (violão)
Robertinho do Recife (guitarra)
Amelinha (vocais)
Terezinha de Jesus (vocais)
Lee Marcucci (baixo)
e convidados especiais: Fagner, Dom Beto, Carlos Dafé, Joao Bosco, entre outros.

01 - Você (Chico Batera) com Fagner
02 - Yndaya-ê (Nelsinho do Pandeiro)
03 - La Rumba (Dom Beto/ Reina/ Sergio Mello) com Dom Beto
04 - A Ilha (Chico Batera/ Carlos Dafé) com Carlos Dafé
05 - No Va Más (Dom Beto/ Reina)
06 - Zezé (Chico Batera)
07 - Bolero Para Ti (Chico Batera)
08 - Tiro de Misericórdia (João Bosco/ Aldir Blanc) com João Bosco
09 - Nana-yo (Chico Batera)
10 - Lili (Chico Batera)

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Blue Öyster Cult

 Banda estadunidense formada em 1967, na mesma época que bandas clássicas como Black Sabbath, Deep Purple, Uriah Heep, Grand Funk Railroad, entre outras. O Blue Oyster Cult é marcado por suas letras e temáticas baseadas em literatura de horror e ficção científica, inspirada por escritores como H. P. Lovecraft, Edgar Allan Poe e Stephen King. As músicas giram em torno de monstros lendários, maldições, vampiros e ocultismo.
Fire of Unknown Origin é o nono álbum de estúdio da banda Blue Öyster Cult, lançado em Junho de 1981. Escutei demais esse som durante uma época, fitinha K7 rodava sem parar!
A música "Veteran of the Psychic Wars" faz parte do filme Heavy Metal. Acho que assisti pelo menos umas dez vezes...

Fire of Unknown Origin

1. Fire of Unknown Origin
2. Burnin' for You
3. Veteran of the Psychic Wars
4. Sole Survivor
5. Heavy Metal: the Black and Silver
6. Vengeance (The Pact)
7. After Dark
8. Joan Crawford
9. Don't Turn Your Back

Crossroads - A Encruzilhada (OST)


A Encruzilhada conta à história de um cara, que aprendeu a tocar guitarra em uma universidade renomada de música e que acaba caindo na estrada ao lado de um velho gaitista negro, em busca das músicas inéditas do bluesman Robert Johnson. O garoto é interpretado por Macchio e o filme tem uma participação muito especial de Steve Vai, no final, em um monumental duelo de guitarras em que o som que sai da guitarra de Macchio vem, na real, do mestre Ry Cooder. O filme é um belo tributo às raízes do blues, tem direção de Walter Hill - um dos cineastas mais rock'n'roll da década de 1980 - e toda a trilha tem blues elétrico de Ry Cooder. Trilha sonora completa, incluindo o grande duelo final.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Sergio Sampaio

Uma pequena homenagem ao Sergio Sampaio, grande artista, com criatividade rara!
 
Marginalizado pelas gravadoras, Sergio Sampaio não conseguiu sucesso e reconhecimento imediatos, mas agregou em torno de si, alguns fervorosos seguidores.
Nas palavras de Lenine, Sérgio Sampaio foi um desses "enturmados sem turma", da estirpe de um Tim Maia e de um Raul Seixas, só que muito mais radical que os dois em matéria de malandragem. Quando Sampaio se fez conhecer nacionalmente no Festival Internacional da Canção de 1972, estava tuberculoso e tão magro que os amigos chamavam-no de "transparente".
 Eu Quero é Botar Meu Bloco na Rua, de Rodrigo Moreira (Ed. Muiraquitã) é a primeira biografia do compositor capixaba e surge no rastro do CD tributo “O Balaio do Sampaio”, produzido por Sérgio Natureza com a participação de fãs declarados do músico, como Chico César, Lenine, Zeca Baleiro, João Bosco, Luiz Melodia e Jards Macalé, entre outros. Para Sérgio Natureza, que conviveu e chegou a ter parcerias com Sampaio, o cantor maldito foi o verdadeiro "Garrincha da MPB" ao driblar os percalços, entortar as defesas dos insensíveis e marcar gols de placa com suas canções. Não por acaso, Sampaio teria o mesmo fim inglório, similar ao do craque do Botafogo, seu time do coração.
E Raul também bebeu dessa fonte. Influenciado por Sampaio, faria até um samba, - Aos Trancos e Barrancos - coisa inimaginável para o roqueiro até então. Juntos e acompanhados de Edy Star e Míriam Batucada, fariam em 1971 um LP lendário pela CBS, o transgressor Sociedade da Grã-Ordem Kavernista apresenta Sessão das Dez.
O rótulo de "maldito" que as gravadoras e a mídia pregaram-lhe na testa acabou atravancando sua carreira, antes mesmo que ela pudesse realmente começar. Texto baseado em http://www.samba-choro.com.br/artistas/sergiosampaio
Em 1973 lança seu primeiro LP, produzido por Raul e com o nome da canção de sucesso, com vários músicos de renome, a música "Cala a boca, Zebedeu", de autoria de seu pai, tocava direto nas rádios.

Curtam esse som!!!


1. Viajei de Trem
2. Filme de Terror
3. Cala a Boca, Zebedeu (Raul Sampaio)
4. Pobre Meu Pai
5. Labirintos Negros
6. Eu Sou Aquele que Disse
7. Leros e Leros e Boleros
8. Não Tenha Medo, não
9. Dona Maria de Lourdes
10. Odete
11. Eu Quero É Botar Meu Bloco na Rua
12. Raulzito Seixas

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Quentin Tarantino - Trilhas Sonoras

Quentin Jerome Tarantino (Knoxville, 27 de Março de 1963) é um director, actor e argumentista de cinema dos Estados Unidos da América. Ele alcançou a fama rapidamente no início da década de 1990 pelos seus argumentos não-lineares, diálogos memoráveis e o uso de violência que trouxeram uma vida nova ao padrão de filmes familiares norte-americanos. Ele é o mais famoso dos jovens directores por trás da revolução de filmes independentes dos anos 90, tornando-se conhecido pela sua verborragia, o seu conhecimento enciclopédico de filmes, tanto populares, quanto os considerados "cinema de arte". (http://cinema.sapo.pt/pessoa/quentin-tarantino/biografia).
Tão bom quantos seus filmes, são as trilhas sonoras e a combinação das baladas mais inusitadas com cenas fortes e marcantes. Santa Esmeralda como trilha para uma luta de duas samurais é simplesmente fantástico. Selecionei meus filmes e trilhas sonoras favoritos aqui no Valvulado. Divirtam-se.

Pulp Fiction (OS)

O melhor filme e a melhor trilha sonora de Quentin Tarantino.

Reservoir Dogs (OS)

Trilha sonora fantástica, de um filme incrível.

Kill Bill 01 (OST)



Kill Bill 2 (OST)




Natural Born Killers (OS)



Excelente filme de Oliver Stone, com roteiro de Quentin Tarantino. A trilha sonora faz jus ao filme, com Bob Dylan, Nine Inch Nails, Leonard Cohen...

From Dusk Till Dawn (OS)



Trilha sonora com ZZ Top e muito Rock. Os irmãos Seth (George Clooney) e Richard Gecko (Quentin Tarantino) fogem da justiça depois de terem cometido um roubo e de terem morto vários rangers do Texas. A caminho do México, fugindo da justiça, sequestram a família Fuller para os utilizar como reféns. A sua aventura dará uma volta inesperada quando encontram o "Titty Twister", um bar de estrada que contém mais perigos do que parece.

Jackie Brown (OS)


Excelente trilha sonora, com um bonus de uma bizarra cena entre Robert De Niro e Bridget Fonda. Jackie Brown é uma aeromoça, funcionária de uma companhia aérea de segunda linha, que reforça o seu baixo salário trazendo para o país dinheiro sujo de um traficante de armas, Ordell Robbie. Um dia, ela é pega por policiais com uma alta soma numa mala. Mas estes lhe oferecem a liberdade se os ajudar a pegar o traficante.

Death Proof (OS)


Grindhouse com uma excelente trilha sonora. O filme foi lançado junto com Planet Terror. Para quem gosta de cult, trash movies, imperdível.“Death Proof” é um slasher movie misturado com o típico filme de perseguições. Uma homenagem, tal como “Kill Bill” o tinha sido para os filmes de kung-fu.


Planet Terror (OS)




Acho que este é o filme mais trash que assisti. Filme de Robert Rodriguez, grande parceiro de Tarantino (Kill Bill), que cuida também da trilha sonora. Quentin Tarantino tem uma participação como ator.Em PLANETA TERROR, Robert Rodriguez mistura terror extremo e ficção científica, em uma homenagem aos filmes de Zumbi. Um hospital recebe doentes infectados que aos poucos se transformam em monstros. A heroína, que tem sua perna arrancada, ganha uma metralhadora como prótese. A trilha sonora é muito boa.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Plasmatics

Plasmatics é uma banda estadunidense de metal dos mais pesados, que se formou em 1977. Coup d’Etat é o terceiro álbum de estúdio do Plasmatics, gravado em 1982. Escutei bastante esse som na adolescência, é bem pesado, paulada mesmo, bom pra ouvir naqueles dias que dá vontade de chutar tudo! O que marca o Plasmatics é a voz poderosa e rouca da vocalista Wendy O. Williams. Há quem diga que a expressão “WOW” vem das iniciais do nome dela... Sei não, acho exagero, assim como a voz dela. Animal! Puta som!!!

Depois de alguns problemas com a gravadora, a banda não podia mais usar o nome Plasmatics, então adotaram as iniciais de Wendy Williams. Gene Simmons faz a produção e o baixo no primeiro LP, sob o pseudônimo de Reginald Van Helsing, chamando também outros membros do Kiss a fazerem participações pontuais. A banda gravou o último álbum em 1987 e tocou até 1988. Infelizmente, Wendy Williams se suicidou em 1998, por não ver sentido no mundo. Mais informações, clipes e vídeos no: http://www.plasmatics.com/

Link no título do álbum!
* * *
1. Put Your Love In Me
2. Stop
3. Rock N Roll
4. Lightning Breaks
5. No Class
6. Mistress Of Taboo
7. Country Fairs
8. Path Of Glory
9. Just Like On TV
10. The Damned


sábado, 3 de dezembro de 2011

Abrax - Abrax (1970)

Este álbum é uma pérola que encontrei há alguns anos no Blog do Nirso. É um disco raríssimo de Jazz Rock Instrumental, com uma batida muito forte. Abrax foi uma banda cult francesa da década de 70. Ouçam, vale a pena.

Pat Metheny Group - American Garage (1980)


Pat Metheny ganhou vários concursos como o "melhor guitarrista de jazz" e prêmios, incluindo discos de ouro para os álbuns Still Life (Talking), Letter from Home e Secret Story. Ganhou também quinze prêmios Grammy Awards sobre uma variedade de categorias diferentes incluindo "Best Rock Instrumental", "Best Contemporary Jazz Recording", "Best Jazz Instrumental Solo", "Best Instrumental Composition". O Pat Metheny Group ganhou sete Grammies consecutivos em sete álbuns consecutivos.
Este álbum é uma mistura de Rock & Jazz... Um som muito bom.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...