sábado, 1 de setembro de 2012

Festivais de Música Popular Brasileira

A postagem de hoje é para relembrar os Grandes Festivais de Música Popular Brasileira. Uma época que o país parava para cultuar a música, e a música era o instrumento mais original de comunicação, de protesto.
O país, nas décadas de 60 e 70 era bem diferente, e com a Ditadura Militar e a famosa Censura, a criação cultural sofreu diversos cortes, artistas foram perseguidos, exilados, e a música brasileira nunca mais foi a mesma depois destes episódios.

Após a instauração do regime militar no Brasil em março de 1964, uma facção da sociedade brasileira se levantou contra o amordaçamento da democracia no país: a da juventude universitária.
De 1965 a 1972 essa classe estudantil exerceu uma pressão que assumiria proporções inéditas, concentrando-se numa arma jamais utilizada em confrontos semelhantes: canções, cuja “munição” estava nas letras dos compositores de festivais.
Esse período notável tornou-se conhecido como a Era dos Festivais e, coincidentemente, foi nesses sete anos que uma privilegiada geração de compositores e cantores surgiu de repente, de uma só vez, numa florada incomparável. Quase quarenta artistas até hoje em atividade e na proa da Música Popular Brasileira.
Adaptado de (  http://weloverocknrollprincipal.blogspot.com/2010/05/historia-dos-festivais-no-brasil.html )

Um exemplo da irreverência destes tempos, a primeira vez que um instrumento foi destruído no palco, foi pelo músico Sergio Ricardo, no III Festival de Música Popular Brasileira, em 1967. Não há registros que Pete Townshend e Jimi Hendrix tenham conhecido Sergio Ricardo, mas com certeza, ele foi o primeiro...

Segundo o livro de Nelson Motta (Noites Tropicais), o público do III Festival de MPB não aprovara a classificação da música Beto Bom de Bola de Sérgio Ricardo e vaiava intensamente. Sérgio não conseguia ouvir a orquestra e nem a própria voz. Depois de várias tentativas, enfureceu-se, e arrebentou o violão no palco, gritando: "Vocês ganharam! Vocês ganharam! Isso é o Brasil subdesenvolvido. Vocês são uns animais!" Para ver o vídeo: ( http://blogs.jovempan.uol.com.br/dofundodobau/2012/08/30/sergio-ricardo-e-o-pinho-quebrado/ )

Voltando a Música, a história da Música Popular Brasileira foi marcada pela presença de inúmeros festivais, promovidos por emissoras de rádio, redes de televisão, teatros e movimentos estudantis. Esses festivais cumpriram (e ainda o fazem na atualidade) a função de revelar intérpretes, compositores e instrumentistas ao grande público.

A segunda metade da década de 1960, em especial, foi marcada pela consagração de artistas que passaram a figurar entre os grandes nomes da MPB, tais como Elis Regina, Edu Lobo, Chico Buarque, Caetano Veloso, Milton Nascimento, Mutantes e Gilberto Gil, entre tantos outros.

Festivais: ( http://youtu.be/YtuPRcCp_90 )


O Festival Nacional de Música Popular Brasileira, promovido pela TV Excelsior de São Paulo, teve sua primeira edição em 1965 e sua segunda edição em 1966, e apresentou como respectivas vencedoras as canções "Arrastão" (Edu Lobo e Vinicius de Moraes), interpretada por Elis Regina, e “Porta-estandarte” (Geraldo Vandré e Fernando Lona), interpretada por Airto Moreira e Tuca.

Seguem umas palhinhas e alguns álbuns no final:







O Festival da Música Popular Brasileira, promovido pela TV Record de São Paulo, teve quatro edições, em 1966, 1967, 1968 e 1969, com as seguintes vencedoras:
1966: "A banda" (Chico Buarque) empatada com "Disparada" (Téo de Barros e Geraldo Vandré), a primeira interpretada por Nara Leão e a segunda por Jair Rodrigues;







1967: "Ponteio" (Edu Lobo e Capinam), interpretada por Edu Lobo e Marília Medalha. Vale ainda ressaltar que, nessa edição, a segunda, terceira e quarta colocações foram respectivamente para as canções "Domingo no parque" (Gilberto Gil), interpretada por Gil e Os Mutantes, "Roda viva" (Chico Buarque), interpretada pelo autor e pelo MPB-4, e "Alegria, alegria" (Caetano Veloso), interpretada pelo compositor e pelo grupo argentino Beat Boys;












1968: "São, São Paulo, Meu Amor" (Tom Zé), interpretada por Tom Zé, Canto 4 e Os Brasões, na votação do júri especial, e "Benvinda" (Chico Buarque), interpretada por Chico Buarque e MPB 4, na votação do júri popular;










1969: "Sinal fechado" (Paulinho da Viola), interpretada pelo autor.




Infelizmente só encontrei este álbum:





E duas coletâneas dos festivais:




Em 1980, a TV Globo tentou reviver a época dos festivais, com relativo sucesso. O momento do país era outro.... A TV Globo promoveu na década de 1980 o MPB-80, conferindo o primeiro lugar à canção "Agonia" (Mongol), interpretada por Oswaldo Montenegro, que recebeu o prêmio de Melhor Intérprete na quarta eliminatória. Nesse mesmo festival, Eduardo Dusek ganhou projeção nacional quando defendeu sua composição "Nostradamus". Este festival de 1980 ficou marcado para mim, pois acompanhei e torci para Eduardo Dusek. Nostradamus era demais... Seguem alguns grandes momentos deste festival.

Eduado Dusek - Nostradamus ( http://youtu.be/-sYkWmdmRsc )
Baby Consuelo & Pepeu Gomes - O Mal é o que Sai da Boca do Homem (http://youtu.be/ThFPt4pBYWI)







No ano seguinte, o MPB-81 conferiu a primeira colocação à canção "Purpurina" (Jerônimo Jardim), interpretada por Lucinha Lins. Esse resultado provocou vaias da platéia, que tinha como favorita "Planeta água" (Guilherme Arantes). Lembro muito bem da Lucinha Lins cantando e chorando na apresentação final, no meio de muitas vaias.

Lucinha Lins - Purpurina (http://youtu.be/BC4J3TkVpMY)
Guilherme Arantes - Planeta Água ( http://youtu.be/uAQwD0UXMyo )












Em 1982, foi realizado o MPB-82, no qual Eduardo Dusek foi desclassificado ao apresentar a música "Barrados no baile", de sua autoria, no lugar da música que havia inscrito como concorrente, "Valdirene, a paranormal", também de sua autoria.

Primeiro lugar: ( http://youtu.be/KJr2gJPsMfQ )











Em 1985, também pela TV Globo, foi realizado o "Festivais dos Festivais", evento que revelou a cantora Leila Pinheiro, intérprete da canção "Verde" (Eduardo Gudin e Costa Netto), que recebeu a terceira colocação. O primeiro lugar ficou com "Escrito nas estrelas" (Arnaldo Black e Carlos Rennó), defendida por Tetê Espíndola, que pela primeira vez interpretava, em público, uma canção de amor.

Tetê Espindola: ( http://youtu.be/S0yY-NGjtsI ;  http://youtu.be/ligz5o6R2k4 )





A partir daí, os festivais perderam a força, ou perderam a graça para mim, pois não sei e não acompanhei mais nada. Sorry.

Para fazer esta postagem, consultei os seguintes blogs:
http://bloggdomoizes.blogspot.com.br/
http://jovempan.uol.com.br/entretenimento/dois-diretores-em-cena/2012/01/festivais-paulinho-da-viola-canta-sinal-fechado.html
http://50anosdetextos.com.br/2009/recordacoes-de-uma-final-de-festival/
http://www.dicionariompb.com.br/festivais-de-musica-popular/dados-artisticos

5 comentários:

  1. Se quiser tenho os 3 discos do 3º Festival pra uma próxima postagem ou acrescentar sei lá, basta dizer.
    Enjoy!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Dead, quero sim... se puder disponibilizar, agradeço imensamente... Valeu.

    V.

    ResponderExcluir
  3. Caramba, eu havia esquecido desses festivais da Globo dos anos oitenta. Algumas músicas ficaram , a maioria não. Mas legal ouvi-las novamente.Obrigado pelas belas postagens.
    Dado

    ResponderExcluir
  4. Dois álbuns adicionados: Coletâneas dos Festivais da Record anos 60 e anos 70.
    Divirtam-se

    ResponderExcluir
  5. Gosto bastante de festivais...eu tenho os dois discos do Festival de 80 além de um volume do de 1981. Convido a todos para uma visita ao blog http://amizadevinil.blogspot.com. Neste m~es, matéria sobre o álbum "Lápis de Cor" de Fatima Guedes, que esteve no festival de 1980. Saudações!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...