Choose your STYLE!!!

The Best Posts Session

David Bowie - Music & Art

David Bowie, nome artístico de David Robert Jones, Londres, 8 de janeiro de 1947) é um músico, ator e produtor musical inglês. Por vezes...

domingo, 29 de junho de 2014

ACDC - 40 anos de puro Rock!


Uma banda sólida, que ouço há mais de 30 anos... O AC/DC foi formado em Sydney, Austrália em 1973 pelos irmãos Angus e Malcolm Young. A banda é normalmente classificada como hard rock e considerada uma das pioneiras do heavy metal, juntamente com bandas como Led Zeppelin, Black Sabbath, Thin Lizzy, Judas Priest e Deep Purple. No entanto, os seus membros sempre classificaram a sua música como rock and roll. 


O AC/DC passou por várias mudanças de alinhamento antes de lançarem o seu primeiro álbum, High Voltage, em 1975. A formação manteve-se estável até o baixista Cliff Williams substituir Mark Evans em 1977. Em 1979, a banda gravou o seu bem-sucedido álbum Highway to Hell. O vocalista e co-compositor Bon Scott faleceu a 19 de fevereiro de 1980, após consumir na noite anterior uma grande quantidade de álcool, onde o corpo foi encontrado no apartamento, algum tempo depois. O grupo considerou por algum tempo a separação, mas rapidamente o ex-vocalista dos Geordie, Brian Johnson, foi selecionado para o lugar de Scott. Mais tarde nesse ano, a banda lançou o seu álbum mais vendido, Back in Black. O álbum seguinte da banda, For Those About to Rock (We Salute You), foi também bem sucedido e tornou-se o primeiro álbum de heavy metal a atingir o 1º lugar nos Estados Unidos.


A banda já vendeu mais de 150 milhões de cópias em todo o mundo, incluindo 71 milhões somente nos Estados Unidos. Back in Black já vendeu cerca de 43 milhões de cópias mundialmente, do quais 22 nos Estados Unidos, fazendo dele o 2º álbum mais vendido de todos os tempos e o 5º mais vendido nos Estados Unidos. AC/DC ficou em quarto na lista da VH1 dos "100 Maiores Artistas de Hard Rock" e foram considerados pela MTV a 7ª "Maior Banda de Heavy Metal de Todos os Tempos" e em 2004, a banda ficou em 72º na lista dos "100 Maiores Artistas de Todos os Tempos" feita pela revista Rolling Stone.


Uma palhinha:


quarta-feira, 25 de junho de 2014

Airbag - Prog sounds from Norwegian


Uma banda de Rock Progressivo da Noruega...

Biography:
Airbag released their debut album Identity on Karisma Records in April 2009. Hailed as one of the best progressive releases of the year, the album feature scenic, epic rock or, as legendary Classic Rock Magazine said: “This Norwegian five-piece specialize in prog at its most chilled, honeyed and soothing”.  Since the formation in Oslo, Norway 2005 the band has managed to create their own, unique sound with elements of classic and progressive rock, chill and jazz with influences ranging from Pink Floyd and Porcupine Tree to Talk Talk, Radiohead and A-Ha, to name a few. However, Airbag never relies on their influences, but follows a long tradition of experimenting beyond genre restrictions. 


The band has also become a solid live-act playing at several major festivals and as support and in double-bills with bands like Anathema, Pineapple Thief, Riverside and Gazpacho. An Airbag show is a unique experience of sound and strong visuals with extensive use of backdrop film to underline the music. Through an impressive network community, Airbag has gained a substantial following throughout Europe and in Holland and Poland in particular. For four consecutive months in early 2011 Colours (Identity 2009) was listed in top 10 on the Polish national radio hit-list peaking at number 3. 


Airbag is Asle Tostrup – lead vocals, Bjørn Riis – guitars & vocals, Jørgen Hagen – keyboards, Henrik Fossum - drums and Anders Hovdan – bass.

For more information please contact: 
Airbag management: Jørn Terje Larsen jt@airbagsound.com – mobile +47 915 57 562



Palhinha:




(Mais uma contribuição de Peter Hammil)

sábado, 21 de junho de 2014

Budgie (English Hard Rock)


Budgie foi (é) uma banda de Hard Rock de Cardiff, País de Galles. Criada em 1968, sua formação original se consistia de Burke Shelley no baixo e vocal, Tony Bourge na guitarra e vocal, e Ray Phillips na bateria. A atual formação é composta por Simon Lees (guitarra), Burke Shelley (baixo e vocal) e Steve Williams (bateria). Seu primeiro álbum foi gravado em Rockfield Studios com o produtor do Black Sabbath, Rodger Bain e lançado em 1971 seguido por Squawk em 1972. O álbum que se seguiu, Never Turn Your Back on a Friend (1973), inseriu a banda na história do rock and roll e possivelmente contém sua melhor canção, "Breadfan", mais tarde regravada pelo Metallica. (Metallica também regravou uma outra canção da Budgie, "Crash Course In Brain Surgery"). Ray Philips deixou a banda antes do quarto álbum In for the Kill ser gravado e foi substituído por Pete Boot.


Em 1975, Bourge e Shelley se juntaram ao baterista Steve Williams para o álbum Bandolier, Bourge deixou a banda em dezembro de 1978 e foi substituído por John Thomas. A música do LP de 1978, "Impeckable", fez parte da trilha sonora do filme "J-Men Forever" de 1979 (aparecendo freqüentemente na série de televisão "Night Flight" da USA Network de 1981 a 1988) e se tornou um clássico. A banda resistiu com sucesso à New Wave of British Heavy Metal (NWOBHM) até 1982, sendo até mesmo a atração principal dos Festivais de Reading e Leeds. Eles chegaram a ter um grande número de fãs na Polônia, chegando a ser a primeira banda de heavy metal a se apresentar atrás da Cortina de Ferro em 1982. Teve também destaque a sua excursão com o apoio de Ozzy Osbourne em 1984. A banda se desfez em 1988, seus integrantes foram participar de produções em estúdios e ocasionalmente sendo convidados para outros projetos; John Thomas participou no estúdio do CD Phenomena com o ex-integrante do Black Sabbath, Glenn Hughes. John Thomas deixou a banda em 2001 depois de terem sido a atração principal do festival ao ar-livre, "Welsh Legends of Rock".

Palhinha:

Desfrutando de grande popularidade no Texas, um pouco graças ao legendário promotor musical, o DJ e empresário do ramo de restaurantes, Joe "The Godfather" ou "Mr. Pizza" Anthony na rádio KMAC/KISS da década de 1970, a banda se reuniu para apresentações em 1995, 1996 e 2000 nos festivais ao ar-livre 'La Semana Alegre' em San Antonio, Texas. Eles excursionaram de 2002 a 2006, principalmente pelo Reino Unido, pelas regiões de Nova York/Nova Jérsei, Dallas e realizaram algumas apresentações na Europa incluindo o Festival do Rock da Suécia e um retorno à Polônia pós-comunista.



terça-feira, 17 de junho de 2014

Grand Funk Railroad - Hard Rock


Grand Funk Railroad (ou simplesmente Grand Funk) é uma banda de rock da década de 1970, descoberta em 1969 no Atlanta Pop Festival, que chegou a ser uma grande sensação do rock para os jovens no final dos anos 60 e começo dos anos 70. O grupo nasceu em 1964, na cidade de Flint, Michigan, Estados Unidos, quando quatro amigos se juntaram para formar uma banda. Seu nome original era Jazzmasters e não tocavam jazz como o nome sugere, "mestres do Jazz", mas faziam um rock'n roll tão alto quanto seus amplificadores podiam suportar. Era formado por: Mark Farner, guitarra e vocal; Don Brewer, bateria e vocal; Craig Frost, órgão e piano e Don Lester baixo elétrico.


Um grande grupo que começou como Power Trio e produziu grandes clássicos do Rock. Selecionamos alguns deles;










Uma palhinha para finalizar...



sexta-feira, 13 de junho de 2014

Os Mundi - Ecletic German Prog



Uma banda bem diferente, tocando um progressivo, ora meio barroco, meio folk, ora meio pesado. Uma banda bem original e eclética... Espero que gostem.

OS MUNDI was located in Berlin. Two forerunners are to point out, the first named SAFEBREAKERS covered TOP 40 songs and later on ORANGE SURPRISE with own material and also producing film music. Four musicians started in 1970 with the new band name: Udo Arndt (guitar, vocals), Christoph Busse (drums, vocals), Dietrich Markgraf (flute, sax) and Andreas Villain (bass). Their first album 'Latin Mass' was produced for the Metronome label. OS MUNDI tried to convert a catholic mass into Psychedelic/Heavy Rock provided with a dark atmosphere and a rough production. Above all the latin lyrics are characteristic and unique. Wolfgang "Buddy" Mandler (drums, percussion) and Raimund "Mikro" Rilling (cello, bass) later joined the band to produce the second effort '43 Minuten' followed by female Jazz and Pop vocalist Ute Kannenberg. Influences of the new members are well recognizable. Their next album from 1972 is differing to the forerunner prefering more Symphonic and Jazz Rock elements whereas the song 'A Question Of Decision" is known to be the masterpiece.


The band failed producing new albums afterwards but existed until 1975 involving more and more musicians. So OS MUNDI can be considered as one of the first rock big-bands with more than 10 members at once. From 1975 on to 1980 the band gave one sold out revival concert a year at the famous Berlin 'Quartier Latin'. This performances were appointed with a strong Jazz Rock orientation. Some recordings of the band's late phase are taken for a 2004 production named 'Os Mundi'. Finally in 2007 the compilation 'Sturmflut' featuring Harald Skorepa (keyboards) was released by Schneeball Production. This album contains a live track including the follower Free Jazz band OHPSST.

Many of the former band members are still working in the music business.

OS MUNDI members and guest musicians:
Udo Arndt (guitar, vocals)
Christoph Busse (drums, vocals)
Dietrich Markgraf (flute, saxophone)
Andreas Villain (bass)
Wolfgang "Buddy" Mandler (drums, percussion)
Raimund "Mikro" Rilling (cello, bass)
Ute Kannenberg (vocals)
Ludolf Kuchenbuch (saxophone)
Klaus Henrichs (saxophone)
Bernhard Arndt (piano)
Michael "Fame" Günther (bass)
Wolfram Jacob (percussion)
Harald Skorepa (piano, synthesizer, organ)
Konstantin "Bommi" Bommarius (drums)
Peter Autschbach (guitar)




Os Mundi - (1970) Latin Mass


Os Mundi - (1972) 43 Minuten


Os Mundi - (2004) Os Mundi



Os Mundi - (2007) Sturmflut



Palhinhas:

(Mais uma contribuição de Peter Hammil)

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Sá & Guarabira


Sá e Guarabyra é uma dupla musical brasileira formada em 1973 pelos compositores e cantores Luíz Carlos Pereira de Sá (Rio de Janeiro, 15 de outubro de 1945) e Guttemberg Nery Guarabyra Filho (Barra, Bahia, 20 de novembro de 1947). O primeiro sucesso de Guttemberg Guarabyra veio em outubro de 1967, quando fica em primeiro lugar no Festival Internacional da Canção com a música "Margarida" apresentada com o Grupo Manifesto, do qual fazia parte. Já Luiz Carlos Sá teve seu primeiro grande sucesso gravado por Pery Ribeiro em 1966, "Giramundo". Eram artistas solo até os dois formarem, juntamente com Zé Rodrix (que antes era do grupo Som Imaginário), a banda de rock rural Sá, Rodrix e Guarabyra, que alcançou o sucesso a partir de 1971, gravando dois LPs pela Odeon — Passado, presente e futuro e Terra 2 — e se apresentaram, em julho de 1972, em um espetáculo no Teatro Opinião, no Rio de Janeiro, seguido de espetáculos e aparições na televisão. Nessa época, Sá e Guarabyra receberam prêmios de publicidade pelo jingle "Só Tem Amor Quem Tem Amor pra Dar", criado para a Pepsi.


Em 1973, Zé Rodrix separou-se do grupo, e então a formação passou a ser Sá & Guarabyra em definitivo. Gravariam ainda pela Odeon os LPs Nunca (1973) e Cadernos de viagem (1975). A dupla fez grande sucesso nas décadas de 1970 e 80, com as canções "Dona" e "Espanhola", esta última composta com Flávio Venturini, em 1976. Outro sucesso foi a canção "Verdades e Mentiras", uma entre as 100 canções mais tocadas nas rádios do país no ano de 1985 4 , após ter sido incluída na trilha sonora da telenovela Roque Santeiro da Rede Globo.


Para sonorizar esta história, segue primeiro um álbum com Sá, Rodrix e Guarabira:



Outro, celebrando os 10 anos da dupla...


O quinto LP de Sá e Guarabyra (e sétimo, contando com os dois do trio Sá, Rodrix e Guarabyra), lançado há algumas semanas pela RCA, é exatamente uma retrospectiva destes dez anos de carreira. Chama-se 10 Anos Juntos e foi gravado ao vivo durante as cinco apresentações da dupla no final de outubro do ano passado (1982) em São Paulo. Muito sintomaticamente, o show que resultou no LP não foi apresentado no Tuca, no Pixinguinha ou em qualquer outro dos teatros dos bairros nobres de São Paulo, mas no Paulo Eiró, teatro simples, da Prefeitura, em um trecho barulhento de Santo Amaro (“O Brasil é muito mais do que qualquer zona sul…”). Diante de uma casa lotada, com a platéia ocupando todos os espaços, inclusive dos corredores, Sá e Guarabyra contaram histórias de suas vidas e carreiras e apresentaram músicas de antes e depois de 1972, ano em que começaram a trabalhar juntos.
Das várias composições que apresentaram, escolheram 11 para compor o LP – o qual, fazem questão de dizer no encarte, não tem adicionais de estúdio e reproduz fielmente o que foi apresentado no espetáculo. (O ouvinte não perde nada com isso: a qualidade de som é muito boa). Para a legião relativamente pequena, mas muito fiel, dos admiradores da dupla, é um disco imprescindível – mesmo porque nada garante que daqui a uns dois anos ele ainda possa ser encontrado em qualquer loja. Para quem não conhece bem o seu trabalho, é uma experiência no mínimo agradável.
As vozes são gostosas, afinadas, corretas, simpáticas; as interpretações são sensíveis, às vezes comoventes (Luís Carlos Sá consegue a proeza de regravar uma música que ficou muito conhecida na voz de Milton Nascimento e fazer-nos até esquecer da versão do grande cantor, na faixa “Caçador de mim”, de Sá e Sérgio Magrão). Os arranjos são simples, nada grandiosos ou grandiloqüentes, e muito bem cuidados; o acompanhamento, do conjunto Ponte Aérea, que há cinco anos toca com a dupla e até já gravou um LP solo, é muito bom (nada mais que guitarras, baixo, teclados e bateria, com o acréscimo de violas e violões tocados por Sá e Guarabyra).
E as canções são, todas, no mínimo gostosas, agradáveis (até mesmo as mais fracas, como “Dança o atrevido”, bela melodia para uma letra muito pobre), às vezes inteligentes e sensíveis (como “Vem queimando a nave louca” e “Sete Marias”), às vezes brilhantes (como “O Pó da Estrada”, “Dona”, do último festival da Globo, e “Sobradinho”). Uma bela lição de simplicidade, coerência e competência. E mais uma bela prova de que o Brasil – felizmente – é muito mais do que qualquer zona sul.
( Este texto foi publicado na revista Ato, na edição de março/abril de 1983.)

Sá e Guarabira foram músicos muito presentes na época em que fiz faculdade, em Jaboticabal. Tocaram em todos Festivais de Música da SECITAP, na saudosa Concha Acústica, e participaram de algumas festas nas Repúblicas. Há uma lenda que diz que a música DONA, foi inspirada por uma bela estudante de Veterinária...

Concha Acústica de Jaboticabal-SP


E para finalizar, um solo de Zé Rodrix, no auge do Rock Rural;


Palhinhas:





sexta-feira, 6 de junho de 2014

Bob Dylan and his Gospel Years


Bob Dylan (nome artístico de Robert Allen Zimmerman; Duluth, 24 de maio de 1941), nasceu no estado de Minnesota, neto de imigrantes judeus russos, aos dez anos de idade Dylan escreveu seus primeiros poemas e, ainda adolescente, aprendeu piano e guitarra sozinho. Começou cantando em grupos de rock, imitando Little Richard e Buddy Holly, mas quando foi para a Universidade de Minnesota em 1959, voltou-se para a folk music, impressionado com a obra musical do lendário cantor folk Woody Guthrie, a quem foi visitar em Nova York em 1961. Em 2004, foi eleito pela renomada revista Rolling Stone o 7º maior cantor de todos os tempos e, pela mesma revista, o 2º melhor artista da música de todos os tempos, ficando atrás somente dos Beatles, e uma de suas principais canções, "Like a Rolling Stone", foi escolhida como a melhor de todos os tempos.1 Influenciou diretamente grandes nomes do rock americano e britânico dos anos de 1960 e 1970. Em 2012, Dylan foi condecorado com a Medalha Presidencial da Liberdade pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.


Após seu divórcio em 1977, da esposa Sara Lownds, com quem era casado desde 1965, Dylan viveu uma grande crise pessoal, que refletiu-se em seu trabalho artístico. Depois de uma turnê mundial em 1978, em parte registrada no duplo ao vivo "At Budokan" (gravado no Japão), ele voltou-se para a música gospel, após converter-se ao cristianismo e filiar-se a uma igreja. Foi o período mais controverso e polêmico de sua carreira, principalmente por Dylan afastar-se de seu repertório clássico e investir em canções com temática cristã. Nesta nova fase, surpreendeu seus antigos fãs e se apróximou de músicos do segmento cristão, como Larry Norman , Chuck Girard e Keith Green, em cujo álbum "So You Wanna Go Back to Egypt" chega a gravar uma participação com sua harmônica. Mais importante do que isso, motivado por sua nova espiritualidade, Dylan gravou três álbuns: "Slow Train Coming" (1979) considerado o mais inspirado dos três, deu a Dylan um Grammy de melhor vocal masculino, pela canção "Gotta Serve Somebody". O segundo álbum, "Saved" (1980), teve uma recepção menos entusiasmada, embora na opinião de Kurt Loder da Rolling Stone este álbum fosse superior ao primeiro 48 . "Shot of Love" (1981) encerra a fase cristã de Dylan. A despeito da intolerância das críticas à época do seu lançamento, em 2003, o conteúdo das músicas de "Gotta Serve Somebody" foi depurado, revisitado e redimido por nomes como Shirley Caesar, Helen Baylor, Chicago Mass Choir e outros representantes da música afro-americana, em "The Gospel Songs of Bob Dylan", um CD que se desdobrou em indicação para o Grammy e em documentário (2006) sobre esta fase. O jornal International Herald Tribune declarava que a interpretação afro-americana levava a música de Dylan a um outro patamar. E é esta fase de Dylan que queremos sonorizar aqui no Valvulado...

Palhinhas:





Trilogia - Bob Dylan - Gospel phase (3 albuns)



Bob Dylan - 1979 - Slow Train Coming



Slow Train Coming é o décimo nono álbum de estúdio do cantor Bob Dylan, lançado a 20 de Agosto de 1979. O disco atingiu o nº 3 do Pop Albums. Com o single "Gotta Serve Somebody", Dylan ganhou um Grammy Awards na categoria "Best Rock Vocal Performance by a Male" em 1980.



Bob Dylan - 1980 Saved


Saved é o vigésimo álbum de estúdio do cantor Bob Dylan, lançado a 23 de Junho de 1980. O disco atingiu o nº 24 do Pop Albums.


Bob Dylan - 1981 - Shot of Love


Shot of Love é o vigésimo primeiro álbum de estúdio do cantor Bob Dylan, lançado a 10 de Agosto de 1981. O disco atingiu o nº 33 do Pop Albums. O vocalista dos U2, descreveu Shot of Love como um dos seus discos favoritos, devido à capacidade de canto do artista.


Trilogia - Bob Dylan - Gospel phase (3 albuns)


Um álbum fantástico, lançado em 1969 com The Brothers & Sisters, cantando músicas de Bob Dylan no mais clássico Church Gospel:

The Brothers & Sisters - Dylan's Gospel (1969)


In 1969, Lou Adler was one of the hottest producers and songwriters in Los Angeles, having worked with the Mamas and the Papas, Carole King, Sam Cooke, Johnny Rivers, the 5th Dimension, Spirit, and many others. Struck by the melodic influences of vintage gospel music in the songs of Bob Dylan, Adler was inspired to bring together some of the best session vocalists in California - nearly all of whom had a background in gospel - and make an album that cast some of Dylan's best-known songs in a brand new light. Dylan's Gospel, credited to the Brothers and Sisters of L.A., was the result, with Merry Clayton, Gloria Jones, Clydie King, Edna Wright, Patrice Holloway and many others bring heart, soul, and gospel fervor to tunes like "I Shall Be Released," "Chimes of Freedom," "My Back Pages," "Mr. Tambourine Man," and more. 

Tracks:
01. The Times They Are-A Changin'
02. I Shall Be Released
03. Lay Lady Lay
04. Mr. Tamburine Man
05. All Along The Watchtower
06. The Mighty Quinn
07. Chimes Of Freedom
08. I'll Be Your Baby Tonight
09. My Back Pages
10. Just Like A Woman

Mais Bob Dylan on Valvulado:

Bob Dylan - Biograph (1985) - 3 albuns



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...