sábado, 3 de janeiro de 2015

AFROBEAT - Trans Global African Funk Grooves


Afrobeat é uma combinação de música yorubá, jazz, highlife, funk e ritmos, fundidos com percussão africana e estilos vocais, popularizado na África na década de 1970. O principal criador do Afrobeat e artista nigeriano exclusivo de longa data foi o multi-instrumentista e líder de banda Fela Kuti, que cunhou o termo Afrobeat, moldando a estrutura musical, e também o contexto político do gênero na Nigéria. Nigerianos foram os primeiros a introduzir a Afrobeat em 1970, quando Kuti de regresso de uma turnê aos E.U. com seu grupo "Nigéria 70" (ex-Koola Lobitos). O novo som de Kuti arrastou-o de um clube que ele construiu chamado afro-Santuário. Ao chegar na Nigéria, Kuti mudou o nome do seu grupo para Fela Ransome-Kuti & África 70. A banda manteve-se por um período de cinco anos de residência no Afro-Santuário de 1970-75, enquanto Afrobeat prosperou entre os jovens nigerianos.


As características do Afrobeat são:
Big Bands: Um grande grupo de músicos tocando vários instrumentos;
Energia: energética, empolgante e com alta velocidade, percussão Polirrítmica;
Repetição: Os mesmos movimentos musicais são repetidos várias vezes;
Improvisação: Apresentação sem conjunto musical;
Combinação de gêneros: Uma mistura de diversas influências musicais.
Vocais tendem a ser cantadas em Yorubá e Pidgin inglês como Kuti, que disse em perfeito Inglês, considerar estas como sendo as mais entendidas em todas as línguas das fronteiras da África.

Palhinha:




Review by Nathan Thornburgh:
The title of Afrobeat...No Go Die! says exactly what this album wants to prove: Three years after the death of Afro-beat pioneer Fela Kuti, the movement he started is alive and well. Fela, as he was popularly known, was a West African superstar, and his Afro-beat legacy appears on this album as a combination of Bob Marley's musical Zionism and James Brown's universal slickness. This album traces the complex legacy of Afro-beat by ranging in style from the melancholic tribute "Fela" by trumpeter Hugh Masekela to the crossover club hit "Beng, Beng, Beng" by Fela's son, Femi Kuti. Tony Allen, who was Fela's lead drummer in bands from Koola Lobitos to Afrika 70, is also well-represented with the rhythm-heavy track "The Same Blood." Although a couple of the longer songs later in the album inspire more tedium than trance, the Afro-beat here is clearly a superior alternative to the wave of American suburban groove music that would compete with this album.


More AFROBREAT at Valvulado:

2 comentários:

  1. Hello, good people!!!

    Como disse meu amigo MARCOS VALLE:
    "Black is Beautiful"

    Falando em Marcos Valle, outro gênio esquecido/incompreendido da VERDADEIRA mpb,
    eis um link no rutracker...com sua obra quase que completa:

    http://rutracker.org/forum/viewtopic.php?t=3826718

    Como o povo brasileiro pode virar as costas a este e tantos outros GÊNIOS MUSICAIS e abraçar com AMOR e DEVOÇÃO a causa neo-sertanojo, axé , funk e outros ritmos INOMINÁVEIS???

    Mais uma vez:

    Panis Et Circenses
    Os Mutantes
    Eu quis cantar
    Minha canção iluminada de sol
    Soltei os panos sobre os mastros no ar
    Soltei os tigres e os leões nos quintais
    Mas as pessoas na sala de jantar
    São ocupadas em nascer e morrer

    Mandei fazer
    De puro aço luminoso um punhal
    Para matar o meu amor e matei
    Às cinco horas na avenida central
    Mas as pessoas na sala de jantar
    São ocupadas em nascer e morrer

    Mandei plantar
    Folhas de sonho no jardim do solar
    As folhas sabem procurar pelo sol
    E as raízes procurar, procurar

    Mas as pessoas na sala de jantar
    Essas pessoas na sala de jantar
    São as pessoas da sala de jantar
    Mas as pessoas na sala de jantar
    São ocupadas em nascer e morrer

    Peter Hammill - SP

    ResponderExcluir
  2. Aí, Peter!!! Começou 2015 animado. Temos que divulgar a música boa, pois está ficando cada vez mais difícil;;;
    Um abraço

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...