domingo, 30 de agosto de 2015

Amy Jade Winehouse - A Revolution in the Soul Music


A primeira vez que ouvi Amy Winehouse foi inesquecível. A música era Rehab e fiquei impressionado com tudo... O visual com o cabelão, o corpinho pequeno, as tatuagens, não combinava,m com o vozeirão de Diva (eu jurava que a voz era negra, com o típico visual Soul Jazz, tipo a Aretha Franklin). A banda com músicos excelentes, dançando com uma coreografia relax... Simplesmente adorei e me perguntei como eu não a conhecia. Amy estava em seu auge, dançando, gritando e já dava uns goles entre uma música e outra, o que achei irreverente também... Gostei de tudo... A voz, a música, as letras e a atitude Rock'n'Roll, estilo Keith Richards. O mundo era dela e estava pouco se importando com o que achavam, compartilhando seu talento indiscutível. Um som de primeira, revolucionário, triste e forte, soul, jazz e blues, saindo do firmamento dos Deuses e tocando os pobres mortais. Uma divindade sonora que aparece de tempos em tempos... E se vai, após uma intensa e curta aparição, deixando um vazio musical... Já aconteceu antes.


Amy Jade Winehouse (Londres, 14 de setembro de 1983 — Londres, 23 de julho de 2011) foi uma cantora e compositora britânica conhecida por seu poderoso e profundo contralto vocal e sua mistura eclética de gêneros musicais, incluindo soul, jazz e R&B. Ingressou na carreira musical ainda na adolescência, apresentando-se em pequenos clubes de jazz em Londres. No fim de 1999, assinou o seu primeiro contrato com uma editora discográfica, a EMI Music, mas, após ter sido descoberta por Darcus Breeze, em 2001, assinou contrato com a Island Records. A sua primeira aparição no cenário musical britânico foi em 2003, com o seu álbum de estreia, Frank. O disco foi bem recebido pela crítica especialista, mas, inicialmente, não obteve sucesso comercial apesar de ter produzido quatro singles, todos sem êxito. Foi em 2006, com o lançamento do seu segundo álbum de estúdio, Back to Black, que Amy Winehouse ganhou proeminência como uma artista. Esse obteve sucesso crítico e comercial e alcançou as posições mais elevadas no ranking internacional, tendo atingido o número um em 23 países, incluindo o Reino Unido, a Áustria, a Alemanha e a Dinamarca, enquanto nos Estados Unidos chegou à sua posição máxima como número dois. Desse trabalho, foram retirados seis singles, sendo "Rehab" o mais bem-sucedido. Back to Black vendeu seis milhões de cópias e foi o disco mais vendido de 2007. No ano seguinte, o álbum foi indicado em seis categorias à 50.ª edição dos Grammy Awards, das quais venceu cinco, o que fez de Winehouse a artista feminina britânica que mais foi premiada em apenas uma edição.


Considerada a desencadeadora da nova Invasão Britânica, Amy Winehouse é referida como a revolucionária da música soul pela crítica especialista. Ela é citada como influência musical por vários cantores, incluindo Adele, Duffy, Bruno Mars, Lady Gaga e Sam Smith, e foi a intérprete que mais vendeu em nível digital no Reino Unido, em 2007. Ao longo de 2007, acumulou uma renda estimada em dez milhões de libras e foi posicionada no número dez na "Lista dos Ricos" do jornal inglês Sunday Times, em 2008. No mesmo ano, foi eleita a "heroína suprema" dos britânicos pelo canal de televisão Sky News, com base em uma pesquisa realizada entre pessoas com menos de 25 anos de idade e na lista elaborada pela revista Veja, em 2009, das cantoras internacionais que mais venderam em solo brasileiro no ano anterior, ficou na primeira posição com mais de quinhentos mil álbuns vendidos, o que fez dela uma das recordistas de vendas no país. Ao longo de sua carreira, Winehouse vendeu um número estimado de trinta milhões de CDs e DVDs em todo o mundo, tornando-se uma das artistas que mais venderam em nível global. As suas conquistas incluem três prêmios Ivor Novello Awards e um total de seis Grammy Awards. No entanto, apesar de bem-sucedida, a sua carreira foi muitas vezes ofuscada por seus problemas pessoais, principalmente pelo seu casamento conturbado com o ex-assistente de vídeo Blake Fielder-Civil, uma vez que as brigas do casal foram diariamente comentadas pela imprensa. Além disso, o seu envolvimento com álcool e drogas e a sua luta para superá-lo também prejudicaram a sua imagem pública.


Amy Winehouse foi encontrada morta em sua casa em Londres, em 23 de julho de 2011. A causa da morte foi intoxicação por álcool. Após o falecimento da cantora, Back to Black tornou-se o disco mais vendido do século XXI no Reino Unido. Posteriormente, foi lançada a compilação póstuma Lioness: Hidden Treasures, que recebeu análises positivas da mídia especializada e teve um desempenho comercial favorável. Nesse mesmo ano, o periódico sueco Metro International concedeu à cantora o título de "Celebridade do Ano", enquanto o canal VH1 colocou-a na 26.ª posição em sua lista das "100 Grandes Mulheres na Música", em 2012, e a BBC proclamou-a o talento vocal preeminente de sua geração.


Seguem alguns álbuns, em sua maioria bootlegs que tenho em minha coleção:


(10in White Label Promo)























_____________________________________________






THANKS AMY

7 comentários:

  1. Amy Winehouse impressionava pela sua voz e performance. Brilhante cantora. Uma pena não ter segurado a pressão de seus próprios fantasmas e, por consequência, acabou entrando pra turma dos 27..
    Linda postagem, Javanes. Muito Obrigado. Abraços
    Mosca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, Mosca.

      A Amy faz parte do clube dos 27: Janis Joplin, Jim Morrison, Jimi Hendrix, Brian Jones, Kurt Cobain, Amy Winehouse, entre outros. Artistas excelentes que morreram aos 27, ou muito cedo. Com certeza, é uma síndrome (psico-somática)...

      O interessante é que todos os citados foram insubstituíveis e deixaram influências fortíssimas.

      Um abraço, meu caro e obrigado pela visita.

      Excluir
    2. Dá uma conferida neste link:

      http://www.afronte.com.br/clube-dos-27-uma-hq-sobre-artistas-falecidos-aos-27-anos/

      Excluir
    3. vou tentar fazer um post sobre isso!

      Excluir
  2. Muito interessante. São ícones eternos e merecem ter uma história. Achei super legal a idéia dos caras. Vale a pena sim fazer um post dessa matéria. Não conhecia o site afronte.
    Valeu Javanes. Mais uma vez obrigado pelo toque. Um grande abraço.
    Mosca.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...