terça-feira, 22 de março de 2016

A Cor do Som II


A Cor do Som é um grupo brasileiro que se criou a partir do séquito dos músicos que acompanhavam Moraes Moreira após a sua saída dos Novos Baianos. Originalmente esse era o nome da banda instrumental que acompanhava os Novos Baianos, título sugerido por Caetano Veloso. A banda surgiu em meados de 1977, formada por músicos experientes no cenário nacional. Experimentando novos padrões de som, valeu-se das vivências anteriores com Moraes Moreira, Pepeu Gomes, entre outros, sendo considerado um movimento pós-tropicalista. Em seu primeiro disco homônimo (WEA 1977), tinha como integrantes Dadi Carvalho (ex-Novos baianos e Jorge Ben) no baixo, seu irmão Mú Carvalho (ex-A Banda do Zé Pretinho) nos teclados, Gustavo Schroeter (ex-A Bolha) na bateria e Armandinho Macêdo (Trio Elétrico Armandinho, Dodô & Osmar) na guitarra, bandolim e guitarra baiana. A partir do segundo disco "Ao Vivo Em Montreux", o percussionista (e colega de Armandinho na sua outra banda) Ary Dias passa a fazer parte do grupo.


Misturando rock, ritmos regionais e música clássica, foram convidados por Claude Nobs a participar do Montreux Jazz Festival, na Suíça, tornando-se o primeiro grupo musical brasileiro a participar do evento. A apresentação contou com material quase todo inédito e rendeu um disco ao vivo. A partir do terceiro trabalho, "Frutificar", passam a executar músicas cantadas a pedido da gravadora, o que os eleva a novos níveis de popularidade. Após o disco "Mudança de estação, de 1981, Armandinho deixa o grupo para seguir com seu projeto anterior e alçar novos rumos em carreira solo. É então substituido por Victor Biglione, que grava "Magia Tropical", de 1982 e "As Quatro Fases do Amor", de 1983. Em 1984 lançam novamente um disco todo instrumental, intitulado "Intuição", já sem Victor Biglione mas com participações de Egberto Gismonti, Tulio Mourão e Perinho Santana. No ano seguinte, com Perinho nas guitarras, lançam "Som da Cor". Em 1987, nova mudança. Saem Perinho Santana e Gustavo Schroeter e entram Jorginho Gomes (ex-Novos Baianos) na bateria e Didi (também experiente, tendo tocado com seu irmão Pepeu Gomes e outros) no baixo, levando Dadi a assumir as guitarras. Em 1996, o grupo reune-se com a formação original para gravar o disco "A Cor do Som Ao Vivo no Circo", registrado no Circo Voador, no Rio de Janeiro. Recebem naquele ano o prêmio Sharp de melhor grupo instrumental.


Em 2005, com a formação original, o grupo apresentou-se no Canecão, no Rio de Janeiro. O show contou com a participação especial de Caetano Veloso, Daniela Mercury, Moraes Moreira, Davi Moraes e o Coral dos Canarinhos de Petrópolis, além dos músicos Nicolas Krassic (violinno), Nivaldo Ornelas (sax soprano), Marcos Nimrichter (acordeom e teclados), Jorge Helder (baixo acústico, violão e baixolão), Jorginho Gomes (bateria e percussão), Marco Túlio (flauta), Francisco Gonçalves (oboé), Bernardo Bessler (violino), Marie Cristine (viola) e Marcio Mallard (cello). O espetáculo gerou o CD e DVD "A Cor do Som Acústico", lançado no mesmo ano com produção musical de Sérgio de Carvalho. Em 2006, são contemplado com o prêmio Tim de Melhor Grupo, na categoria Canção Popular, por este disco. A banda segue fazendo apresentações esporádicas.















4 comentários:

  1. Grande banda, acompanhei muito ouvindo os discos lá por 81,82...Valeu a postagem para conhecer maios a história da Cor do Som. Saudações de Alvaro Az do blog http://amizadevinil.blogspot.com.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Alvaro. Um grande abraço e obrigado por nos acompanhar!

      Excluir
  2. Ah, rapá! Época boa essa, hein? Show d'A Cor do Som era certo de encontrar várias gatinhas (as "cocotas", lembra?), uma delícia combinar música boa com um ambiente florido.
    A capa do Furtificar... Até hoje não sei se é puro cinismo ou sei lá o quê, mas, pense bem, (passando reto e direto pelo politicamente correto vigente...) "frutificar" pode querer dizer "se abichalhar" (virar "fruta"), digamos assim (rsrsrs); os rapazes com essa maquiagem e roupinhas... rsrsrsrs E a galera ali pegava todas ou então eram cheios de filhos, essas coisas. rsrsrs
    De qualquer maneira, Frutificar, a música e o álbum, são excelentes, mas os outros dois postados são ainda melhores.
    Por um acaso você não tem os outros? Os com o Biglione são difíceis de achar por aí.
    Valeu, meu camarada, aquele abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Maddy Lee... Grande presença aqui no Valvulado.
      A primeira vez que ouvi A Cor do Som, confesso que não gostei... Ouvi "Sim, é como a flor..." e achei meio brega na época, mas minha namorava gostava e acabei indo a um show onde vi estas caras detonando. Depois conhecendo a hostória, vi que era uma grande banda. Este disco de Montreux é uma jóia!
      Os anos 80 foram muito estranhos e este look andrógino meio "louca" era moda nos artistas da época (acho).
      Resolvi repostar estes álbuns pois os consegui em 320.
      tenho todos (acho) mas estão em 128 - 192.
      Estou viajando, por isso as respostas estão meio lerdas, mas assim que voltar, os envio a vc!

      Um grande abraço

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...