sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Antonio Carlos Jobim


Antônio "Tom" Carlos Brasileiro de Almeida Jobimnota  (Rio de Janeiro, 25 de janeiro de 1927 — Nova Iorque, 8 de dezembro de 1994), mais conhecido como Tom Jobim, foi um compositor, maestro, pianista, cantor, arranjador e violonista brasileiro. É considerado o maior expoente de todos os tempos da música brasileira pela revista Rolling Stone , e um dos criadores e uma das principais forças do movimento da bossa nova. Pensou em trabalhar como arquiteto, chegando a cursar o primeiro ano da faculdade e até a se empregar em um escritório, mas logo desistiu e decidiu ser pianista. Tocava em bares e boates em Copacabana, como no Beco das Garrafas no início dos anos 1950, até que em 1952 foi contratado como arranjador pela gravadora Continental, onde trabalhou com Sávio Silveira. Além dos arranjos, também tinha a função de transcrever para a pauta as melodias de compositores que não dominavam a escrita musical. Datam dessa época as primeiras composições, sendo a primeira gravada "Incerteza", uma parceria com Newton Mendonça, na voz de Mauricy Moura.Depois da Continental, foi para a Odeon. Entretanto, não tinha tanto tempo para se dedicar à composição, que lhe interessava mais. É nesse época que compõe alguns sambas, em parceria de Billy Blanco: Tereza da Praia, gravada por Lúcio Alves e Dick Farney pela Continental (1954), Solidão e a Sinfonia do Rio de Janeiro. Tereza da Praia o primeiro sucesso. Depois disso, ocorreram outras parcerias, como com a cantora e compositora Dolores Duran, na canção Se é por Falta de Adeus.


Em 1956, com 29 anos, Tom conheceu Vinícius de Moraes por acaso no bar Villarino, apresentado a ele por Lúcio Rangel, que sugeriu que Tom musicasse a peça Orfeu da Conceição do próprio Vinícius, que se tornou um de seus parceiros mais constantes. Dessa peça fez bastante sucesso a canção antológica Se Todos Fossem Iguais a Você, gravada diversas vezes. Tom Jobim fez parte do núcleo embrionário da bossa nova. O LP Canção do Amor Demais (1958), em parceria com Vinícius, e interpretações de Elizeth Cardoso, foi acompanhado pelo violão de um baiano até então desconhecido, João Gilberto. A orquestração é considerada um marco inaugural da bossa nova, pela originalidade das melodias e harmonias. Inclui, entre outras, Canção do Amor Demais, Chega de Saudade e Eu Não Existo sem Você. A consolidação da bossa nova como estilo musical veio logo em seguida com o 78 rotações Chega de Saudade, interpretado por João Gilberto, lançado em 1959, com arranjos e direção musical de Tom, selou os rumos que a música popular brasileira tomaria dali para frente. No mesmo ano foi a vez de Sílvia Telles gravar Amor de Gente Moça, um disco com doze canções de Tom, entre elas "Só em Teus Braços", "Dindi" (com Aloysio de Oliveira) e "A Felicidade" (com Vinícius).


Tom foi um dos destaques do Festival de Bossa Nova do Carnegie Hall, em Nova York em 1962. No ano seguinte compôs, com Vinícius, um dos maiores sucessos e possivelmente a canção brasileira mais executada no exterior: "Garota de Ipanema". Nos anos de 1962 e 1963 a quantidade de "clássicos" produzidos por Tom é impressionante: "Samba do Avião", "Só Danço Samba" (com Vinícius), "Ela é Carioca" (com Vinícius), "O Morro Não Tem Vez", "Inútil Paisagem" (com Aloysio), "Vivo Sonhando". Nos Estados Unidos gravou discos (o primeiro individual foi The Composer of Desafinado, Plays, de 1965), participou de espetáculos e fundou sua própria editora, a Corcovado Music.


O sucesso fora do Brasil o fez voltar aos EUA em 1967 para gravar com um dos grandes mitos americanos, Frank Sinatra. O disco Francis Albert Sinatra e Antônio Carlos Jobim, com arranjos de Claus Ogerman, incluiu versões em inglês das canções de Tom ("The Girl From Ipanema", "How Insensitive", "Dindi", "Quiet Night of Quiet Stars") e composições americanas, como "I Concentrate On You", de Cole Porter. No fim dos anos 1960, depois de lançar o disco Wave (com a faixa-título, Triste, Lamento entre outras instrumentais), participou de festivais no Brasil, conquistando o primeiro lugar no III Festival Internacional da Canção (Rede Globo), com Sabiá, parceria com Chico Buarque, interpretado por Cynara e Cybele, do Quarteto em Cy. Sabiá conquistou o júri, mas não o público, que vaiou ostensivamente a interpretação diante dos constrangidos compositores.


Aprofundando seus estudos musicais, adquirindo influências de compositores eruditos, principalmente Villa-Lobos e Debussy, Tom Jobim prosseguiu gravando e compondo músicas vocais e instrumentais de rara inspiração, juntando harmonias do jazz (Stone Flower) e elementos tipicamente brasileiros, fruto de suas pesquisas sobre a cultura brasileira. É o caso de "Matita Perê" e "Urubu", lançados na década de 1970, que marcam a aliança entre sua sofisticação harmônica e sua qualidade de letrista. São desses dois discos Águas de Março, Ana Luiza, Lígia, Correnteza, O Boto, Ângela. Também nessa época grava discos com outros artistas, como Elis e Tom, com Elis Regina, Miúcha e Tom Jobim e Edu e Tom, com Edu Lobo.

Algumas biografias foram publicadas, entre elas Antônio Carlos Jobim, um Homem Iluminado, de sua irmã Helena Jobim, Antônio Carlos Jobim - Uma Biografia, de Sérgio Cabral, e Tons sobre Tom, de Márcia Cezimbra, Tárik de Souza e Tessy Callado. Antônio Carlos Jobim era doutor «honoris causa» pela Universidade Nova de Lisboa / Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, por volta de 1991. O Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro foi renomeado Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão - Antônio Carlos Jobim ' junto ao Congresso Nacional por uma comissão de notáveis, formada por Chico Buarque, Oscar Niemeyer, João Ubaldo Ribeiro, Antônio Cândido, Antônio Houaiss e Edu Lobo, criada e pessoalmente coordenada pelo crítico Ricardo Cravo Albin.


Tom Jobim, um marco na música brasileira. Um dos criadores da Bossa Nova, um poeta, um estudioso musical, um ícone. 

Seguem alguns álbuns que gosto muito e espero que não despertem a ira da Censura Cibernética....




Três músicas tem aqui suas gravações "oficiais" - mas já haviam sido gravadas antes para a trilha sonora do filme "The Adventurers" (Os aventureiros), também com arranjos de Eumir Deodato: "Children's games" e "Amparo" mais tarde receberam letras, e mudaram de nome para "Chovendo na Roseira" (letra de Tom) e "Olha Maria" (letra de Chico Buarque). "God and the devil in the land of the sun" também foi feita para o filme.




Entre março e maio de 1970, nos mesmos estúdios Van Gelder, Tom gravou dois LPs para o novo selo de Creed Taylor, CTI-A&R: Tide e Stone Flower. Salvo por uma sessão, especialmente reservada para Tide, em 16 de março, ambos foram gravados simultaneamente em 23, 24 e 29 de abril e 8, 20 e 22 de maio, com arranjos de Eumir Deodato e alguns brasileiros (Hermeto Pascoal, o baterista João Palma e os percussionistas Airto Moreira e Everaldo Ferreira) misturados aos instrumentistas americanos.



Para finalizar uma bela coletânea, com as principais músicas do Mestre.


"Esse generoso, espontâneo ser urbano-silvestre que é o maestro Jobim representa muita coisa mais do que uma sensibilidade pequeno-burguesa que modula crônicas de amor para consumo da classe média, a que logo adere uma suposta classe alta. É antes um criador musical que concentra o espírito do Brasil antigo, situando-o na atualidade sob condições novas. Estabelece uma continuidade emocional em formas tão cristalinas que sentimos, graças ao seu talento, a novidade dos estados permanentes de alegria, tristeza e cisma, vividos pela nossa gente, à margem de estilos e modas. Um Nazaré e um Tom dispensam colocação didática na história da música brasileira. E em Tom esse sentir brasileiro é também um sentir dos ventos, das ramagens, dos seixos, das vozes de passarinhos, que não são cariocas nem fluminenses, é a "geologia moral" do Brasil, que procuramos esquecer mas subsiste como explicação maior da gente."
 Tom Jobim, deputado eleito pelos sabiás, canários e curiós para falar, não aos povos da Zona Sul, mas a toda criatura capaz de ouvir e de entender pássaros, trazendo-nos uma interpretação melódica da vida. Isso que ele faz tão bem, cativando a todos. Ou a quase todos, pois seria vão esperar que os amantes do barulho erguido à categoria de música estimassem o antibarulho, o refinamento do som organizado em fonte de prazer estético e explicação do homem por si mesmo. O som de Tom, o som que uma fada (iara, sereia, camena?) lhe deu há 50 anos, presente das matas da Tijuca ao futuro morador do Leblon, ao mais despreocupado dos mestres, e por isso também o mestre que é mais agradável reverenciar.

Salve, Tom, em claro e meigo Tom! "

Carlos Drummond de Andrade

10 comentários:

  1. NÃO GOSTO DELE! BOSSA NOVA CREDO!

    ResponderExcluir
  2. Sorry, Man. Tom Jobim tinha que rolar... Aguarde que em breve rola um blusão...
    Abs

    ResponderExcluir
  3. Tom Jobim mijava no tinhorão, a planta. Mijar em crítico é válido. Não gosto de bossa nova, mas respeito quem goste.

    Padrinho do Xerxes

    ResponderExcluir
  4. Parente do Xerxes, o Java preparou um DEVO e disse que foi vc que pediu... Já tá no forno! abs

    ResponderExcluir
  5. Ops, deve ter sido outro parente do Xerxes. Mas valeu a consideração.
    Abraço!

    Parente do Xerxes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A sua família é grande!!! Abraços e bom domingo

      Excluir
  6. Pode ser estranho vindo da galera metal pesado de Jabuka mas a verdade é que boa música não se despreza e muito menos se discute. Tenho uma penca de plays do velho maestro. acho a combinação scotch & piano perfeita. E a sonoridade é rica, lisérgica!!! Além destes clássicos recomendo os plays "passarin" e "urubú". Muito doido apreciar TOM JOBIM aqui. è como uma calçada da boa música, frequentada só por poucos e raros e não por muitos e pagos. Abraços a todos do blog. cascavel & dust forever!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí, Ganjacore... É isso aí. Música boa tem que ser registrada e compartilhada. Assim como Sepultura, Angra influenciou o cenário musical do Heavy... Muito, mas muito antes, nosso Mestre Tom Jobim foi reconhecido internacionalmente por músicos de Jazz, também influenciando o cenário musical.
      Valeu, brother e abraços a saudosa Jabuka City!!!

      Excluir
  7. Gringo,

    O Tom Jobim entrou em minha vida musical muito tarde, acho que depois dos quarenta anos.......

    Entretanto, esse fenômeno é fácil de explicar: a música, seja ela qual for, exige uma inteligência específica para ser compreendida e no meu caso, para compreender a obra do "Tom", ela só chegou com a maturidade......

    Muito bom mesmo!!!!

    Belíssima Resenha!!!

    Um forte abraço,

    Gustavo



    ResponderExcluir
  8. Gringo, reparou que todos que aparecem nas fotos já partiram dessa para melhor? Que coisa!!! Abs Bro.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...